Disfunção Erétil pode ter Cura!

A disfunção erétil (DE) é um problema que atormenta homens de diversas idades, sendo caracterizado pela incapacidade de iniciar e/ou manter a ereção peniana pelo tempo necessário para uma relação sexual.

Estudos epidemiológicos sobre a DE apontam para dados de 18% nos homens entre 50 e 59 anos; 37% entre 70 e 75 anos e 5-10% abaixo dos 40 anos, apesar de ser menos comum.

E será que a disfuncão erétil pode ter cura?

Primeiramente, é importante compreendermos que a DE pode ter causas orgânicas, ou seja, derivadas de alterações no equilíbrio do corpo, como pressão alta (hipertensão arterial), traumas no sistema nervoso (medula, cérebro), diabetes mellitus, estilo de vida (tabagismo, alcoolismo, sedentarismo) e induzida por medicamentos, como também causas não orgânicas, de ordem psicogênica, compreendendo o âmbito da saúde mental (ansiedade, relacões interpessoais, estresse). E encontrar a origem do problema é um desafio, mas o primeiro grande passo!

Diversas sociedades e associações médicas da Urologia,e da Endocrinologia, a exemplo da “American Urological Association (AUA)” propõe condutas (guidelines) para tratar a disfunção erétil.

Desde 2018, a Associação Americana de Urologia (AUA), recomenda que nós, Urologistas, tratemos a disfunção erétil com uma abordagem biológica, psicológica e social.

Dentro dessa, no âmbito biológico, merecem atenção os fármacos inibidores de fosfodiesterase (Tadalafila, Sinedafila, Vardenafila – inibidores da enzima PDE5)- “Viagra”, que permitem uma maior dilatação dos vasos do pênis, levando a uma maior chegada de sangue.

Os seus efeitos são aplicáveis inclusive na disfunção erétil psicogênica, como visto em um estudo publicado em 2019 no “The Journal of Sexual Medicine”, cerca de

55% dos pacientes responderam de forma consistente ao tratamento com Sidenafila, Tadalafila ou Vardenafila. Entre 6 e 17 meses, 83% dos responsivos pararam de usar o medicamento, pois já não era mais necessário!

Portanto, desde que tratada junto a um Urologista, a disfunção erétil pode ser resolvida, e o tratamento vai muito além da parte medicamentosa (que também não se restringe ao “viagra”, englobando a esfera psicológica e de mudança do estilo de vida (exercícios, dieta, cessação do tabagismo).

Referências:

Burney AL, Nehra A, Breau RH, et al. Erectile Dysfunction: AUA Guideline. J Urol 2018; 200:633.

J Sex Med 2019;16:1541e1546